Pular para o conteúdo

Esclerose múltipla: O que é e como é o tratamento

    Para algumas pessoas, o nome esclerose múltipla parece ser uma doença que acomete somente pessoas mais velhas, mas se engana quem pensa dessa maneira!

    A idade para o diagnóstico é de apenas 34 anos, porém, a descoberta do problema pode ser ainda mais cedo, por volta dos 30 anos, e a confirmação é através da ressonância magnética.

    O que é esclerose múltipla?

    A esclerose múltipla é uma doença caracterizada pelo sistema imunológico, e ataca a cadeia de mielina, uma estrutura protetora que reveste os neurônios.

    Isso irá resultar na destruição permanente ou danos aos nervos, resultando em um problema de comunicação entre o cérebro e o resto do corpo.

    Os sinais e sintomas da esclerose múltipla variam dependendo do número e de quais nervos são prejudicados, mas na maioria das vezes incluem fraqueza, tremores, fadiga ou perda de controle como a capacidade de andar ou falar.

    A esclerose múltipla é uma doença que infelizmente não há cura, mas os tratamentos disponíveis, como corticoides, anticonvulsivantes e imunossupressores, podem ajudar a controlar os sintomas, prevenir convulsões ou retardar sua progressão e devem sempre ser consultados por um neurologista.

    Principais sintomas da esclerose múltipla?

    Nos estágios iniciais, a esclerose múltipla pode ser uma condição silenciosa, com sintomas que vão e vêm naturalmente e não chamam a atenção do paciente.

    No entanto, os sinais mais comuns de esclerose múltipla incluem:

    • Visão embaçada;
    • Dificuldade para segurar a urina;
    • Cansaço excessivo;
    • Fraqueza;
    • Formigamento no corpo;
    • Sensação pés adormecidos;
    • Falta de equilíbrio;
    • Perda de visão;
    • Cãibras;
    • Dificuldades cognitivas;
    • Impotência sexual;
    • Vertigens.

    Podem existir diversos outros sinais de esclerose múltipla, porém, por mais que seja um sintoma pequeno, procure imediatamente o seu médico, para um diagnóstico mais preciso.

    Como é diagnosticada a esclerose múltipla?

    sintomas de Esclerose múltipla

    O diagnóstico de esclerose múltipla é baseado nos sintomas do paciente em juntamente com exames de imagem, como ressonância magnética e exame do líquido cefalorraquidiano, o líquido que protege a medula espinhal, que foram recomendados pelo médico.

    Caso você tenha gostado de saber sobre esclerose, no site www.premiumsaudeoficial.org/ que fala sobre a sibutramina.

    Como é tratada a esclerose múltipla?

    Como falamos acima, não há cura para a esclerose múltipla e o tratamento é feito para controlar e aliviar os sintomas do paciente, para evitar que a doença aumente ou envolva mais neurônios.

    O tratamento complementar de fisioterapia pode ser necessário para ajudar os pacientes onde o lado foi afetado.

    Portanto, é preciso muita atenção durante o tratamento.

    Algumas medidas importantes no tratamento da esclerose múltipla ajudarão a controlar os sintomas e prevenir o desenvolvimento da doença e incluem:

    • Durma pelo menos 8 a 9 horas por noite;
    • Faça exercícios recomendados pelo médico;
    • Evite calor ou locais quentes e prefira temperaturas amenas;
    • Alivia o estresse com atividades como ioga, massagem, meditação e respiração profunda.

    É importante seguir o neurologista, que também vai pedir uma mudança na alimentação, para uma alimentação balanceada e rica em vitaminas.

    Para você que deseja saber mais sobre assuntos sobre saúde, você pode visitar o site cytosaude.org https://cytosaude.org/comprar-misoprostol-original-cytotec-em-goias-e-em-goiania/ que lá possui um blog que lhe ajudará.

    O que pode causar esclerose múltipla?

    Não há como definir uma causa concreta da esclerose múltipla, isso ainda é desconhecido.

    Porém, sabemos que os primeiros sintomas estão relacionados a alterações imunológicas. 

    Além disso, vários fatores podem contribuir para o desenvolvimento da esclerose múltipla, como:

    Foi constatado que em mulheres há mais chances de desenvolver esclerose múltipla do que os homens;

    Caso haja alguém da família com esclerose múltipla, por exemplo, pais ou irmãos;

    Doenças autoimunes, como tireoidite, anemia , psoríase, diabetes tipo 1 ou doença inflamatória intestinal;

    Níveis baixos de vitamina D.

    Caso você tenha gostado de saber sobre misoprostol cytotec, no site: misoprostolcytotec.com.br que fala sobre a misoprostol.

    Além disso, foi comprovado que o vírus Epstein-Barr é responsável pela mononucleose e pode aumentar o risco de desenvolver esclerose múltipla em uma pessoa. 

    Entretanto, é preciso ser feito mais estudos para verificar se o desenvolvimento de medicamentos e vacinas contra o Epstein Vírus-Barr seria eficaz na prevenção da esclerose múltipla.

    O paciente tem convulsões, que podem durar por algumas semanas, durante as quais os anticorpos destroem a mielina dos neurônios.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.