Pular para o conteúdo

Perfuração de poços artesianos: O que é e como funciona

    Neste artigo você entenderá exatamente como funciona a perfuração de poços artesianos, e entenderá sobre as leis e até mesmo onde contratar empresas legalizadas para a perfuração de poços artesianos.  Mas, antes de iniciarmos este artigos, vamos iniciar te detalhando o que são esses poços.

    O que é um poço artesiano?

    Poço artesiano é um buraco profundo que é escavado no subsolo com a finalidade de captar água para o consumo.

    A diferença entre o poço artesiano dos demais é que não é necessário utilizar uma bomba para fazer a água subir, como é feito no caso da cisterna. 

    O tipo de reservatório subterrâneo faz com que a água que passa pelo tubo jorre na superfície naturalmente.

    Um poço artesiano é um poço tubular vertical feito no solo com o objetivo de extrair água. 

    Tecnicamente, somente um poço que jorra a água recebe o nome de artesiano. Essa seria a principal diferença entre um poço semi artesiano, por exemplo.

    No entanto, existem também definições sobre poços artesianos e semi artesianos  muito diferentes.

    Qual a diferença de poço artesiano e semi artesiano?

    A definição técnica de poço artesiano e semi artesiano leva em conta apenas o fato de ele jorrar água naturalmente.

    Quando a profundidade de um poço é maior do que 60 metros e a água extraída dele vem de uma camada de rocha e não do solo, ele também é conhecido como poço artesiano.

    No caso de pessoas pesquisarem por poços semi artesianos, elas estão na realidade em busca de poços mais rasos, de até  aproximadamente 20 metros. 

    São poços com captação de água do lençol freático com uma camada do solo muito próxima da superfície.

    Como funciona a perfuração de poços artesianos?

    A máquina que realiza a perfuração é chamada de perfuratriz, e dependendo do tipo e qualidade da rocha e da profundidade do poço, três principais métodos de perfuração podem ser utilizados: percussivo, rotopneumático ou rotativo.

    A perfuração de poços artesianos é uma atividade especializada que exige profissionais habilitados e maquinário adequado. 

    Ao perfurar o solo, dois tipos principais de rochas podem ser encontrados, dependendo das características hidrogeológicas da região:

    • Rochas cristalinas, também chamadas de magmáticas, como granito, basalto e diorito
    • Rochas sedimentares, formadas pelo acúmulo de sedimentos, como arenito, argila e calcário. 

    O estudo de viabilidade leva em consideração o tipo de rocha para fazer um projeto de perfuração de qualidade.

    Dependendo do tipo e qualidade da rocha e da profundidade do poço, três principais métodos de perfuração podem ser utilizados:

    • Percussivo: esse método usa dois mecanismos para fazer a perfuração, enquanto um peso é erguido e derrubado para fragmentar a rocha, as paredes são desenhadas por uma espécie de tubo giratório. 
    • Rotopneumático: esse método também utiliza dois mecanismos, enquanto um martelo pneumático impacta e fragmenta a rocha, uma broca gira e tritura essa rocha fragmentada para criar um buraco. É a tecnologia mais utilizada nos dias de hoje.
    • Rotativo: esse método é mais comum em rochas sedimentares, pois utiliza um mecanismo rotativo que corta e tritura as rochas, levando-as para a superfície através de um fluido especial.

    De onde vem a água do poço?

    Esta é uma questão muito importante, e depende da profundidade do poço.  

    A água pode ser captada do lençol freático ou de um aquífero, em camadas de solo rasas ou camadas rochosas e sedimentares profundas, e tudo isso pode impactar na quantidade e na qualidade da água. 

    A água de um poço raso, de até aproximadamente 20 metros, é capturada por uma camada superficial do solo, na maioria das vezes a água de chuva. 

    Poços rasos são sujeitos a condições climáticas e a presença de água ou umidade nessa camada. Por exemplo, em épocas de seca, a água do poço pode diminuir.

    Outra grande desvantagem é que essa água, na maioria dos casos, é contaminada, porque  sofre com a ação direta do ser humano, como o despejo de dejetos e poluentes. 

    Por exemplo, se houver plantações ou criações de animais próximos ao poço, o uso de agrotóxicos ou a presença de esterco podem contaminar o solo do qual o poço irá extrair a água, podendo causar doenças nos animais e também no ser humano.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.